São Paulo F.C



Um clássico pra lá de especial

Com time completo e um histórico vencedor diante do Palmeiras, Tricolor recebe Muricy Ramalho pela primeira vez como adversário e busca aproximação ao líder

Enfrentar o Palmeiras em qualquer momento ou situação já é especial. Até se fosse um jogo amistoso, o São Paulo jogaria seu melhor para despachar o rival. O Choque-Rei traz uma rivalidade de muitos anos, uma mobilização enorme na principal cidade do país. A exposição chega a passar dos limites e a preparação para o clássico é feita com todos os cuidados possíveis pelos dois lados.


Na tarde de hoje, porém, com um Morumbi repleto de são-paulinos, o clássico é muito mais que especial. É o primeiro encontro do ex-técnico e antigo ídolo tricolor Muricy Ramalho com o clube que o formou. O momento não poderia ser mais propício. São Paulo e Palmeiras estão em alta no campeonato e o time tricolor precisa tirar a diferença de quatro pontos para o atual líder da competição.


Principal protagonista de muitos Choques-Reis - já marcou sete gols no rival -, o goleiro Rogério Ceni considera o jogo de hoje fundamental para o São Paulo e explica: "Por tudo que envolve o clássico, pela tradição das equipes, por suas torcidas, duas das cinco maiores do país, é especial, sem dúvida. Mais ainda pelo momento dos times. Precisamos nos beneficiar do fator casa para diminuir a diferença pra eles. Para uma equipe que almeja o título, como a nossa, não podemos perder esta chance", afirmou o camisa 1, referindo-se aos quatro pontos que o rival tem a mais.

 

O encontro com o ex-técnico é normal. "Faz parte da nossa profissão, ainda mais num país que os técnicos trocam tanto de times. A amizade fica fora do campo", completou.

 

Rogério ficou fora da equipe nas primeiras 18 rodadas, mas faz parte da defesa tricolor, que já é a segunda melhor do campeonato, atrás justamente da do Palmeiras. No duelo das defesas, o jogo promete ser pegado. "Não tem outro jeito. Vai ser muito disputado, forte, marcado, mas tem que ser na bola", afirma Jorge Wagner, outro jogador que costuma brilhar frente ao Palmeiras.

 

O fator Morumbi traz confiança ao elenco. O time venceu os últimos cinco jogos em casa neste Brasileiro e segue invicto atuando no estádio. Os jogadores admitem ficar mais à vontade em casa. "É algo natural, todo grande time quer fazer seu papel em casa. Não sei se tem alguma explicação física, mas nos tornamos mais fortes psicologicamente quando atuamos no Morumbi", explica Hernanes, admitindo entrar em campo neste domingo com o moral alto.

 

A confiança pode ser dobrada se considerarmos que o Palmeiras não vence o Tricolor no Morumbi há 14 jogos, desde 2002. Foram dez vitórias do São Paulo neste período, a última delas com gol de Washington, no Campeonato Paulista deste ano. "Mas história não entra em campo, o jogo é disputado em 90 minutos", alerta Miranda.

 

No clássico pra lá de especial, o São Paulo pode estar completo. A única dúvida fica por conta da Richarlyson, que no treino de ontem sofreu um entorse no tornozelo. O técnico Ricardo Gomes espera contar com o camisa 20. "É muito importante contar com todos os jogadores. Isso me dá opção de montar o time, o banco, além de trazer mais confiança a todos", comentou o técnico, que disputa seu segundo clássico pelo São Paulo - no primeiro venceu o Santos por 2 a 1 no Morumbi.

 

SÃO PAULO X PALMEIRAS

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 30 de agosto de 2009, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Assistentes: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Vicente Romano Neto (SP)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Renato Silva, André Dias e Miranda; Jean, Richarlyson (Zé Luís ou Arouca), Hernanes, Jorge Wagner e Junior Cesar; Dagoberto e Washington
Técnico: Ricardo Gomes

PALMEIRAS: Marcos; Wendel, Maurício Ramos, Danilo e Armero; Pierre, Edmilson, Souza e Cleiton Xavier (Ortigoza ou Deyvid Sacconi); Diego Souza e Obina
Técnico: Muricy Ramalho